Você está aqui
Home > Destaques > 4 fotógrafos falam sobre o papel do Photoshop na arquitetura

4 fotógrafos falam sobre o papel do Photoshop na arquitetura

BeFunky_Collage

Uma das histórias mais controversas nas notícias recentes de arquitetura foi a revelação de Blair Kamin, do jornal Chicago Tribune, que um dos vencedores do prêmio Excelência em Design do AIA Chicago tinha uma imagem na qual elementos visualmente desagradáveis do projeto foram removidos com o software Photoshop.

A “guerra contra a realidade” (como um comentarista ironicamente se referiu ao assunto) é um tema que polariza as pessoas que discutem sobre o efeito que este tipo de “trapaça” no Photoshop tem sobre a nossa percepção do nosso mundo. No entanto, muitas pessoas desconhecem o que se passa nos bastidores dessas imagens. Decidimos pedir a alguns fotógrafos uma opinião sincera sobre o papel do Photoshop nos processos diários de fotografia de arquitetura, e como estabelecem os limites da documentação ética dos edifícios. Leia, a seguir, suas opiniões.

Brad Feinknopf

Você usa o Photoshop (ou software similar) para retocar suas próprias fotografias para os seus clientes?

Sim.

Quais técnicas de edição que você normalmente usa?

A técnica que usamos na maioria das vezes é HDR: onde mesclamos uma série de exposições para criar uma imagem que mais imita o que o olho vê. O fato é que, seja analógica ou digital, a faixa dinâmica que as duas pode alcançar não chega perto da faixa dinâmica dos olhos. Na minha fotografia tento A) mostrar o projeto na melhor luz possível e B) mostram como o olho o vê. Eu gostaria de criar algo que é, em sua essência, verdadeiro e não fabricado, mas eu tento mostrar projetos da melhor forma possível, é para isso que sou contratado.

Nos tempos da fotografia analógica, se você tivesse uma tomada ou interruptor que não quisesse ver, você movia uma planta na frente. Hoje, eu posso editá-la no Photoshop. Não acho que a remoção de uma tomada irá comprometer a integridade da imagem ou do projeto, mas pode criar uma imagem mais limpa. Tenha em mente que o Photoshop muitas vezes pode ser usado para o bem. O que vem de uma câmera não é sempre real ou mesmo preciso. Muitas vezes, com lentes muito abertas você obtém distorção e exagero. Temos muitas vezes que usar o Photoshop para reduzir esse exagero e mostrar o edifício como os olhos o veem, não como a câmera o vê. Eu procuro não fotografar os aspectos negativos de um edifício. Você não contrata um fotógrafo para retratar suas espinhas e manchas de pele, para mostrar o verdadeiro você. Eu quero promover o projeto da melhor maneira possível, de uma maneira verdadeira, mas assim como acho apropriado retocar uma espinha, eu acho aceitável retocar uma tomada, e a imagem ainda continua verdadeira. Vamos ser realistas, qualquer um em um júri diz que olha as imagens primeiro, e se a imagem não é forte, esses projetos não vão pra frente. Boas fotos ganham prêmios, são publicadas e ajudam a ganhar novo trabalhos. Este é o trabalho que sou encarregado em fazer.

Brad Feinknopf mostra seis exposições diferentes que foram combinadas em uma única imagem. Imagem © Brad Feinknopf
Brad Feinknopf mostra seis exposições diferentes que foram combinadas em uma única imagem. Imagem © Brad Feinknopf

Existem técnicas que você usa para fotografar edifícios para reduzir a quantidade de edições necessárias?

Absolutamente. Eu me sinto abençoado por ter vindo do mundo da fotografia analógica, onde tudo precisava ser feito na câmara. Eu ainda tento fazer o máximo possível na câmera e reservo o Photoshop como uma ajuda e não uma ferramenta. Certamente o uso de filtros – de polarizadores para filtros de densidade neutra – ajudam a fazer uma imagem mais drástica ou mais equilibrada. A composição é um fator chave e posicionar sua câmera em um lugar onde os aspectos mais desagradáveis ​​de um projeto estão cobertos ou não vistos é certamente parte da meta. Mesmo na fotografia analógica, utilizamos luzes fluorescentes com magenta para transformar a temperatura de cor de verde para neutra, e iluminamos interiores para criar o equilíbrio do interior com o exterior. Só porque essas técnicas podem ser substituídas por correção de cor e HDR no Photoshop, não significa que isso seja errado, é apenas uma abordagem diferente. Posso dizer que no mundo da fotografia digital eu sou mais capaz de abordar o que eu imagino na minha mente do que eu poderia na época do filme, e vejo isso como uma coisa boa

A imagem final de Brad Feinknopf. Imagem © Brad Feinknopf
A imagem final de Brad Feinknopf. Imagem © Brad Feinknopf

Existem considerações éticas que os fotógrafos devem ter em mente quando usam o Photoshop? Se sim, você acha que há uma linha que não deve ser atravessada durante a edição de uma fotografia?

Sem dúvida. Eu me vejo como uma pessoa altamente ética, e quero mostrar os projetos dos meus clientes da melhor forma possível. Não quero mostrar algo impreciso ou falso. Eu realmente acho que a situação do Prêmio Chicago AIA foi uma situação notória que criou fervor. É sempre quando as coisas são levadas a extremos que situações como esta acontecem. Dito isso, eu sou abordado em cada programa de premiação que eu assisto por um arquiteto que não ganhou um prêmio, e eles sempre dizem que eu fiz um determinado projeto vencedor parecer melhor do que é, e que não deveria ganhar um prêmio. Eu nunca fui acusado de criar imagens imprecisas ou falsas. Eu sinceramente não culpo o fotógrafo Tom Rossiter, mas também não acredito no arquiteto Moreno quando ele diz: “Eu nunca disse a um artista o que fazer.” Muitos arquitetos solicitam que eu remova algo, e eu duvido que Moreno não tenha pedido a Rossiter para fazer o mesmo e ele apenas atendeu aos seus requisitos.

Há muitas citações de Ansel Adams que dizem respeito a este assunto, e ele foi um dos maiores mestres, tanto com a câmera quanto na câmara escura. Com filtros, queimando, ele criou uma nova realidade que era muito maior do que a realidade atual. Ansel Adams disse: “você não tira uma fotografia, você a faz”, e “quando eu estou pronto para fazer uma fotografia, eu acho que obviamente vejo algo em minha mente que não é literalmente o verdadeiro significado da realidade. Eu estou interessado em algo que é construído a partir de dentro, em vez de apenas extraído de fora.”

A fotografia, mesmo a “iPhoneografia” com os seus inúmeros filtros, não é sobre a realidade, trata-se de uma percepção da realidade. Errol Morris escreveu um livro, Believing is Seeing: Observações sobre os Mistérios da Fotografia, onde ele investiga numerosas imagens históricas famosas de Gettysburg para a Guerra da Criméia, que foram todas manipuladas antes de o fotógrafo ser baleado, não no local, para contar uma história mais atraente. O Photoshop não era a arma, e também não é de hoje. É apenas uma ferramenta que, quando utilizado de forma antiética, pode levar à falta de verdade e de irrealidade. Eu não procuro documentar um edifício, eu apenas o mostro da melhor forma que pode ser visto.

Ansel Adams também disse: “Nem todo mundo confia em pinturas, mas as pessoas acreditam fotografias.” Talvez devêssemos aprender que não deveríamos.

Joana França

Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França
Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França

Você usa o Photoshop (ou software similar) para retocar suas próprias fotografias para os seus clientes?

Todas as minhas fotografias passam pelo Adobe Lightroom para a edição de luz. Quando algum retoque mais pesado é necessário, eu uso o Adobe Photoshop. Eu diria que cerca de 10% das minhas imagens passam pelo Photoshop.

Quais técnicas de edição que você normalmente usa?

A edição no Lightroom é próxima à edição de fotos feitas na antiga câmara escura analógica. Nele eu edito, principalmente, a intensidade de luz (contraste) e as cores.

Mas alguns clientes, especialmente para sessões de fotos de interiores, me pedem para remover alguns elementos indesejados, como cabos, tomadas na parede ou manchas no chão. Na maioria das vezes eu não acho que isso faça uma grande mudança na compreensão da imagem global, apenas mostra uma imagem mais clara. Para estes retoques eu uso o Photoshop.

Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França
Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França

Existem técnicas que você usa para fotografar edifícios para reduzir a quantidade de edições necessárias?

Com a experiência eu percebi que mais tempo no local significa menos tempo no computador, que é uma grande vitória! Acima de tudo, o uso do equipamento adequado, especialmente o uso de lentes tilt-shift, pode economizar muito tempo editando as imagens. Além disso, a remoção de todos os objetos indesejados no local, que só vai ser visto como “ruído” na imagem final, poupa o tempo de ter que lidar com eles mais tarde digitalmente.

Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França
Antes e depois de editar uma imagem, por Joana França. Imagem © Joana França

Existem considerações éticas que os fotógrafos devem ter em mente quando usam o Photoshop? Se sim, você acha que há uma linha que não deve ser atravessada durante a edição de uma fotografia?

Eu acho que toda fotografia é uma interpretação pessoal da realidade. Não importa se é profissional ou não, arquitetônica ou fotografia de guerra, não existem duas imagens da mesma cena feita por duas pessoas diferentes, elas jamais serão a mesma. Eu uso esse momento no local para criar o meu corpo de trabalho, em vez de depender de pós-produção para fazer o trabalho de imagem. Além disso, eu faço minha própria edição, e eu definitivamente não sou uma profissional no Photoshop.

Dito isso, qualquer que seja a imagem final, ela é construída no local com as decisões de equipamentos, luz e posicionamento, que combinadas, me dão muitas opções. Uma mudança de escolha pode criar uma representação completamente diferente do mesmo espaço.

Eu não acho que eu já tenha sido confrontada sobre questões éticas relacionadas a edição no Photoshop, mas eu acho que qualquer pós-produção que “exclui” volumes arquitetônicos representados na imagem original existente, para mim, seria imoral.

Laurian Ghinitoiu

Você usa o Photoshop (ou software similar) para retocar suas próprias fotografias para os seus clientes?

Em 99% do tempo eu uso apenas o Lightroom, e às vezes eu preciso de um toque do Photoshop.

Antes e depois de editar uma imagem. Pavilhão do Reino Unido na Expo Milão 2015. Imagem © Laurian Ghinitoiu
Antes e depois de editar uma imagem. Pavilhão do Reino Unido na Expo Milão 2015. Imagem © Laurian Ghinitoiu

Quais técnicas de edição que você normalmente usa?

Eu trabalho mais como jornalista, sempre dinâmico e correndo para pegar os momentos decisivos da arquitetura. Eu raramente uso um tripé, o que significa que eu não sou capaz de unir as fotos, ou usar bracketing. Tento o tempo todo captar emoções reais, reações e interações em torno da arquitetura. Escolhi uma das minhas fotos representativas como um exemplo em que o momento era tão curto que não consigo preparar minha câmera, mas o disparo em formato bruto me permite editá-la, para modificar a exposição, contraste, destaques, branco, equilíbrio e também cortá-la. Às vezes eu também uso a ferramenta de correção de lente, saturação e luminosidade.

Existem técnicas que você usa para fotografar edifícios para reduzir a quantidade de edições necessárias?

Eu objetivamente documento arquitetura, do amplo contexto aos pequenos detalhes, com aspectos positivos e negativos, e na maioria das vezes eu não estou interagindo com tudo na cena. Acredito que edifícios não existem sem as pessoas, e estou sempre capturando-as de uma maneira muito específica. Mas eu nunca dirijo minhas cenas, ou talvez 0,001% delas, quando é simplesmente impossível conseguir o que eu quero (a mulher com o guarda-chuva no pavilhão do Reino Unido é real). É por isso que eu prefiro os espaços públicos, onde as coisas estão acontecendo o tempo todo.

Existem considerações éticas que os fotógrafos devem ter em mente quando usam o Photoshop? Se sim, você acha que há uma linha que não deve ser atravessada durante a edição de uma fotografia?

Existem diferentes maneiras de ver a fotografia de arquitetura, mas definitivamente nenhuma delas deve implicar na modificação do projeto real ou do seu contexto, a forma como um edifício é utilizado. Às vezes, devido à atmosfera, a luz ou a precisão da composição, as fotos parecem renders, mas elas devem ser 99,99% realidade. Fotógrafos são responsáveis, é claro, mas a foto também pode ser modificada depois, pelo cliente. Neste caso, a única solução consiste em especificar reivindicações diferentes antes, através de um contrato.

Thomas Mayer

Mesquita Sancaklar de Emre Arolat Architects fotografada por Thomas Mayer. Imagem © Thomas Mayer
Mesquita Sancaklar de Emre Arolat Architects fotografada por Thomas Mayer. Imagem © Thomas Mayer

Irei responder sem passar pelas 4 perguntas: como a maioria dos profissionais, eu uso o Photoshop e o Lightroom para processar as minhas imagens. Eu às vezes elimino detalhes de fachadas inacabadas ou detalhes temporárias perturbadores, como postes ao redor do edifício, mas nunca modifico a concepção dos edifícios ou detalhes permanentes. Para um fotógrafo de arquitetura responsável e genuíno, é proibido influenciar a realidade retocando um edifício ou os arredores permanentes com ajuda do Photoshop.

  • Nossos agradecimentos vão para Brad, Joana, Laurian e Thomas por sua disponibilidade de se envolver neste artigo e suas respostas atenciosas.

Fonte: Archdaily

Deixe uma resposta

Top